Indústria pernambucana acumula crescimento de 3,2% no primeiro bimestre de 2024

Indústria pernambucana acumula crescimento de 3,2% no primeiro bimestre de 2024

A indústria pernambucana acumula crescimento de 3,2% no primeiro bimestre de 2024 em comparação com o mesmo período de 2023, é o que aponta os dados da Pesquisa Industrial Mensal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta terça-feira (09).

Na comparação entre fevereiro/24 e janeiro/24, na série com ajuste sazonal, houve um crescimento de 5,2% na produção industrial. Os recentes cortes na taxa Selic, que atualmente encontra-se em 10,75%, ajudam a explicar o desempenho superior desses dois primeiros meses 2024 em relação ao mesmo período de 2023, quando a taxa era de 13,75%. A produção industrial está bem interliga à taxa Selic numa relação inversa, já que juros mais baixos estimulam o consumo e, consequentemente, a produção. A expectativa é de que haja mais um corte na próxima reunião em maio, no entanto, os efeitos dos cortes costumam demorar alguns meses para serem sentidos.

.

Figura 1 – Produção Física Industrial – Índice mensal – com ajuste sazonal

Fonte: IBGE – PIMPF/RG, elaborado por Observatório da Indústria – SENAI/PE

.

Os segmentos da indústria pernambucana apresentaram melhor desempenho neste primeiro bimestre de 2024 foram: Fabricação de celulose, papel e produtos de papel (7,4%); Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (5,1%) e Fabricação de produtos químicos (3,6%).

.

Tabela 1 – Indicadores da produção física industrial – Brasil e Pernambuco – para alguns setores (%) – fevereiro 2024

Fonte: IBGE – PIMPF/RG, elaborado por Observatório da Indústria – SENAI/PE

Related posts

Indicadores industriais em Pernambuco: utilização de capacidade instalada e confiança empresarial em alta

Indicadores industriais em Pernambuco: utilização de capacidade instalada e confiança empresarial em alta A utilização de capacidade instalada da indústria Pernambucana subiu 8 pontos percentuais e agora está em 67%, muito próxima média brasileira de 70% no mês de...

Read More