O plano real e a inflação: de uma cesta básica mais que completa em 1994 a um carrinho vazio em 2022

O plano real e a inflação: de uma cesta básica mais que completa em 1994 a um carrinho vazio em 2022

Prestes a completar 28 anos, a moeda brasileira criada pelo Plano Real passou por um processo de desvalorização desde seu nascimento em julho de 1994. O Real foi implantado com a missão bem sucedida de trazer mais estabilidade ao dia a dia dos cidadãos brasileiros, que chegaram a conviver com quase 2500% de inflação ao ano. Mas mesmo de forma controlada, a inflação sempre esteve presente e minou o poder de compra da moeda ao longo dos anos. Tal efeito pode afetar a confiança dos consumidores e empresários, limitando a capacidade de oferta da indústria e o consequente desenvolvimento econômico do país.

A partir da Calculadora do Cidadão – ferramenta criada pelo Banco Central – ajustada para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), pode-se ter uma ideia da corrosão causada no Real ao longo dessas quases três décadas. Dessa forma, uma pessoa que tinha R$ 13,37 em julho de 1994, seria equivalente a ter R$ 100,01 em junho de 2022. Fazendo o caminho temporal inverso, significaria dizer que uma nota de R$ 100 em 1994, que pagava um salário mínimo e ainda sobrava troco, hoje equivale a menos de 15 reais, menos de 1kg do pãozinho em alguns locais. O resultado os brasileiros sentem no bolso: carrinhos de compra cada vez mais vazios, pressionados pela perda do poder de compra da moeda.

.

.

Expectativas

Um dos efeitos da perda do poder de compra se revela no sentimento dos cidadãos pelo Brasil. Em pesquisa realizada pelo Data Folha, 63% das pessoas declararam que não recebem o suficiente para os compromissos financeiros mensais, e 67% acredita numa piora do cenário econômico nos próximos meses. Para 34% dos entrevistados, essa perda do poder de compra tende a piorar, enquanto 33% acredita que deve permanecer como está. A pesquisa aconteceu nos dias 22 e 23/06 com amostra de 2.556 pessoas em 181 municípios e margem de erro de mais ou menos 2 pontos percentuais.  

Related posts

Indicadores industriais em Pernambuco: utilização de capacidade instalada e confiança empresarial em alta

Indicadores industriais em Pernambuco: utilização de capacidade instalada e confiança empresarial em alta A utilização de capacidade instalada da indústria Pernambucana subiu 8 pontos percentuais e agora está em 67%, muito próxima média brasileira de 70% no mês de...

Read More