Plano de Descarbonização de PE projeta crescimento no PIB e geração de emprego

Plano de Descarbonização de PE projeta crescimento no PIB e geração de emprego

 

 

Neste mês de março o Governo de Pernambuco lançou seu Plano de Descarbonização, o PDPE. O documento objetiva elaborar uma estratégia para a descarbonização da economia pernambucana até 2050, apontando metas, prazos e ações para mitigar as emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE) no estado.

O levantamento trouxe também as projeções das emissões de GEE para quatro eixos estratégicos: Energia & Indústria, Transportes, Resíduos e Outros Usos da Terra – AFOLU. Também foram apontados os impactos das medidas adotadas nas variáveis socioeconômicas, PIB, número de empregos e consumo das famílias para Pernambuco de 2020 a 2050.

Para cada eixo estratégico foram propostas medidas de mitigação, contemplando um conjunto de soluções tecnológicas setoriais. Cada medida foi avaliada quanto ao seu desempenho, levando em consideração um conjunto de critérios de natureza tecnológica, ambiental, socioeconômica e político-institucional.

As projeções, com relação ao critério socioeconômico, apontam crescimento no PIB, na geração de emprego e no consumo das famílias no cenário de descarbonização (Figura 1). O estudo apontou que os fatores de produção são deslocados entre os setores de forma a tornar a economia de Pernambuco mais dinâmica no longo prazo e, com isso, ao contrário do que se pensa, a descarbonização mostra-se como um vetor de estímulo à geração de emprego e renda em Pernambuco.

Para a indústria, o documento destaca que tecnologias de aumento da eficiência energética, maior utilização de fontes renováveis e a introdução de captura e armazenamento de CO2 são fundamentais para viabilizar essa descarbonização.

São propostas adotadas para o eixo de Energia & Indústria: ampliação da geração elétrica renovável, produção industrial de baixo carbono, uma nova matriz de combustíveis e o desenvolvimento da captura, transporte, utilização e armazenamento de CO2. A produção industrial de baixo carbono tem o objetivo de atualizar e inserir tecnologias disruptivas nos setores industriais do estado de Pernambuco.

O SENAI, juntamente com a FIEPE são apontados no documento como parceiros que atuarão nas ações de atendimento na Esfera Técnica e Tecnológica, com a realização de estudos setoriais; na Esfera institucional e regulatória, estabelecendo padrões mínimos progressivos de eficiência energética para equipamentos; e na Esfera cultural e de informação, promovendo eventos e ambientes de inovação, envolvendo setor público, privado, academia e terceiro setor, para implementação das medidas propostas e desenvolvimento de negócios de baixo carbono; e capacitando e disseminando informações sobre a Lei do Bem e outros incentivos tributários existentes para o setor industrial.

Related posts

IPCA: índice de inflação nacional atinge maior alta para o mês abril desde 1996

IPCA: índice de inflação nacional atinge maior alta para o mês abril desde 1996 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) aumentou 1,06% em abril, segundo publicação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na quarta-feira...

Read More

China travada: os possíveis impactos de curto e médio prazo na economia brasileira e de Pernambuco

China travada: os possíveis impactos de curto e médio prazo na economia brasileira e de Pernambuco O mundo tem assistido com preocupação aos desdobramentos da nova onda de Covid-19 na China. Afinal não é para menos: trata-se da segunda...

Read More